Olá visitante! Cadastre-se ou faça o login.

Atendimento

413030-1962
Logo

Atendimento

413030-1962
Carrinho
zoom passe o mouse
Maria: Ícone do Espírito Santo (Ref: 9788555075308)
O Espírito Santo é o protagonista da criação. A partir deste dado da Sagrada Escritura se pode delinear o papel do Espírito na formação do Povo de Israel. Ele não exerce um papel passivo...
Disponibilidade: Envio imediato
por R$ 28,00 ou por R$ 0,00 no Depósito bancário
Quantidade: No momento a quantidade solicitada não esta disponível em estoque
Digite seu CEP:
Descrição longa
Maria: Ícone do Espírito Santo
André Aparecido Monteiro

O Espírito Santo é o protagonista da criação. A partir deste dado da Sagrada Escritura se pode delinear o papel do Espírito na formação do Povo de Israel. Ele não exerce um papel passivo, mas ativamente age e guia o Povo em sua caminhada de libertação. Maria, sendo filha de Israel, ou seja, da linhagem de Davi, foi escolhida para ser a Mãe do Salvador. Por meio de seu fiat, Maria se torna o local da plenitude da ação do Espírito. Nela o Espírito Santo encontra terra fértil, lugar para sarar a ferida aberta pelo pecado. Por isso, podemos dizer que em Maria o Espírito Santo recria, ou reorganiza a criação na humanidade do Verbo Encarnado. Ela não é o Espírito Santo, nem ocupa o seu lugar, mas torna-se ícone da salvação realizada por Cristo. Ela, por primeiro, experimenta a força da nova vida, dada a nós por Jesus Cristo. Sendo Maria o lugar da ação do Espírito Santo, nela se cumpre a plenitude dos tempos. Ela ensina assim o caminho para a vida no Espírito, pois esteve presente nos eventos da História da Salvação e no início da Igreja. A plenitude dos tempos indica o momento em que o Espírito Santo plasma no seio de Maria a natureza humana de Cristo. Esta plenitude dos tempos indica ainda que Maria é aquele lugar da presença misteriosa de Deus entre os homens, antes da encarnação do Verbo. Os Evangelhos dão testemunho desta inauguração dos tempos em Maria. Neles, ela é apresentada como modelo para o discipulado, para a vida no Espírito, pois, aparece como mãe obediente, serva e discípula de Jesus. Nela já se realizara aquilo que estava por acontecer com eles. Ela já estava plena do Espírito, por isso podia rezar, em unânime oração, pedindo o dom de Pentecostes sobre a Igreja, no início de sua caminhada. É por isso que a Igreja, ao rezar ao Espírito Santo, olha sempre para Maria. Ela é o modelo de uma Igreja pneumática. Ela é ícone, ou seja, imagem daquilo que a Igreja deseja ser: dócil, disponível e aberta ao Espírito Santo. Porém, isso não significa projetar em Maria os atributos próprios do Espírito Santo, mas reconhecer nela as primícias de uma vida nova dada a toda a Igreja, da qual ela é espelho e modelo. Por isso a Igreja a tem como arquétipo de si mesma, pois a vocação fundamental é a mesma: ser mãe do novo homem, salvo em Jesus, e dar ao mundo o Verbo, a Salvação de Deus. Na teologia do Concílio Vaticano II, Maria ocupa lugar de destaque na definição sobre a Igreja Lumen Gentium. Inserida no mistério de Cristo e da Igreja, Maria é apresentada como o modelo de discipulado. Nesta perspectiva, ganha espaço o diálogo ecumênico, pois Maria é inserida neste contexto como modelo comum para todos os cristãos.
Especificação
Apresentação: Brochura
Formato: 12 x 18cms
Dados técnicos
ISBN: 978-85-5507-530-8
Páginas: 130
Edição: 1ª
Ano Publicação: 2017
Texto adicional
André Aparecido Monteiro