Olá visitante! Cadastre-se ou faça o login.

Atendimento

413030-1962
Logo

Atendimento

413030-1962
Carrinho
zoom passe o mouse
Escravos da Insensatez (Ref: 9788555079627)

"Em algum ponto entre o início do séc. XIX e final do séc. XX, os heróis morreram. E sim – desde já aviso -, é para trazê-los de volta que escrevo este livro..."

 

Disponibilidade: Envio imediato
por R$ 35,00 ou por R$ 0,00 no Depósito bancário
Quantidade: No momento a quantidade solicitada não esta disponível em estoque
Digite seu CEP:
Descrição longa

Escravos da Insensatez

José Eduardo Leonel

 

Em algum ponto entre o início do séc. XIX e final do séc. XX, os heróis morreram. E sim – desde já aviso -, é para trazê-los de volta que escrevo este livro.
Após Copérnico, Darwin e Freud humilharem o ser humano, tirando-o dos centros das galáxias, dos animais e até de si mesmos, passamos a adotar como mantra a negação de qualquer possibilidade de beleza desinteressada de nossos atos. Alguns psicanalistas, de forma altaneira, chegaram mesmo a dizer que sua disciplina “desmoralizou” o heroísmo.
Elogiar o humano se tornou tão “démodé” que as crianças foram forçadas a ter como espelho não mais heróis, mas sim “super-heróis”, destacando-se, assim, a diferença entre os ídolos e o homo sapiens.
Como todo dogma, a desvalorização do heroísmo não para de pé.  Não há como esconder de nossos filhos que alguns homens sacrificaram a vida em nome de pessoas que sequer conheciam e que alguns deles chegaram mesmo a cometer atos sublimes, com pinceladas do que chamamos de divindade.
Chega de sonegarmos das novas gerações a beleza dos atos humanos. A estética não tem Deus nem partido, e o belo insiste em brotar nas frestas do concreto tosco que é comportamento humano comum, tal como a flor no asfalto de Drummond.
Há crueldade incalculável, brutalidade indizível no mundo dos homens. Mas também existe a chance de toparmos com a generosidade, com o bem-querer desinteressado. Não podemos negar aprioristicamente a possibilidade deste desinteresse, e não há base empírica que ampare os filósofos que descreem de todo altruísmo.
Então, respondem-me que estes atos puros, abnegados, são raríssimos. Ora, que assim seja. Afinal, a graça tem lá suas regras. 
O encanto de alguns atos humanos é como um tênue fio, talvez inconsistente, que sobrepaira o cotidiano bruto. Este filete é sensível, fraco. Mas agarre-se a ele: é sua única chance de alcançar os Deuses.

O autor.

Especificação

Apresentação: Brochura
Formato: 12x 18 cms

Dados técnicos

ISBN: 978-85-5507-962-7
Páginas: 59
Edição: 1ª
Ano Publicação: 2018

Prazo de Envio

Até 28 dias úteis sujeito a disponibilidade do estoque e localidade de entrega.